teste

Teste às correias DeadCameras

DeadCameras straps

DeadCameras é um projecto de Ricardo Silva, um fotógrafo entusiasta, que apesar de ter algumas câmaras digitais continua a amar a película (tal como nós). O projecto surgiu da necessidade do criador ter uma correia à sua medida. Uma vez que não a encontrou no mercado, decidiu fazer as suas próprias correias. O nome do projecto deve-se à coleção de câmaras analógicas que Ricardo tem e da premissa de que o filme está morto.

As correias produzidas por DeadCameras são feitas à mão, com a melhor matéria prima disponível, e podem ser customizadas para as necessidades de cada cliente. Neste momento, fotógrafos como Alfredo da Cunha, Kevin Mullins e António Homem Cardoso usam correias desta marca.

 

Slim StrapSlim strap 

Primeiras impressões:

  • As correias são feitas com couro de alta qualidade e as arestas são polidas à mão para garantir o máximo conforto ao toque.
  • As correias Mini Strap, Slim Strap e Shoulder Strap vêm com duas argolas de 16 milímetros para ligar à câmara, juntamente com dois discos de couro macio para a proteger de riscos. A Wrist Strap e a Nano Wrist Strap vêm com uma argola e um disco.
  • Todas as correias, excepto as Wrist Strap, estão disponíveis em vários tamanhos.
  • As correias vêm com dois pontos decorativos nas pontas, em quatro cores: preto, azul, vermelho e branco. Nas correias castanhas, em preto, vermelho ou verde.
  • As correias Wrist Strap e Nano Wrist Strap têm 21cm de comprimento, mas é possível ajustar o comprimento com um anel de borracha.

 

wrist strapWrist strap 

 

Pela experiência que tivemos, as correias são super confortáveis e agradáveis quer sejam usadas no pulso, pescoço ou ombro. A escolha da correia é algo muito pessoal e prende-se pelo estilo de fotografar, ou pelo modo preferido de carregar a câmara. Por isso, fizemos esta tabela para uma melhor visualização:

 

Wrist Strap

Nano Wrist Strap

Slim Strap

Mini Strap

Shoulder Strap

No pulso

x

x

x

 

 

Ao Ombro

 

 

x

x

x

No Pescoço

 

 

x

x

x

A tiracolo

 

 

x

 

x

 

Shoulder strapShoulder Strap 

Considerações finais

O que diferencia estas correias das outras é o uso de couro de qualidade, o cuidado nos acabamentos e a atenção aos pormenores que o criador tem. Por exemplo: as correias não têm partes metálicas na sua estrutura para não riscar o equipamento enquanto andam no saco.

Outro ponto positivo é ser possível customizar a correia, por exemplo para um tamanho maior que o dos standards oferecidos na loja.

Ricardo está constantemente a pensar em novas correias e, esporadicamente, lança edições especiais limitadas (como uma correia para Rolleiflex).

 

Por todos estes motivos, DeadCameras é definitivamente um site para adicionar aos bookmarks.

 

Loja online

 

Teste ao CineStill

 

2 rolos de CineStill

 

Apesar de ter chegado ao mercado em 2013, a história do CineStill começa anos antes... como outras de que costumamos falar aqui, também esta é impulsionada pelo amor ao filme.
 
Os irmãos Wright começaram a experimentar fazer fotografia com uma película usada em cinema — a Kodak Vision 3 500T 5219 —  devido à facilidade que estes tinham em revelá-la em laboratórios de cinema.  A notícia espalhou-se e rapidamente outros fotógrafos quiseram experimentá-la. O problema é que as películas de cinema têm na base uma camada anti-halo de cêra (rem-jet). No processo de revelação de películas de cinema (ECN-2), esta camada é removida no início, mas no processo standard de revelação de negativos (C-41) isto não acontece. 
 
Assim, o grande desafio seria remover esta camada para que a película pudesse ser revelada de um modo seguro com química C-41. Depois de muitas horas de investigação e milhares de metros de película estragada, os irmãos Wright conseguiram esse feito com um processo proprietário que chamaram de Premoval. 
 
O CineStill é um filme rápido, com um grão moderado, o que o torna ideal para situações com pouca luz. Está preparado para ser usado com luz artificial (tungsténio, fluorescente ou incandescente). Usado de dia, sem filtros, apresenta cores frias, mas sob luz de tungsténio produz cores vivas e vibrantes. Os fabricantes dizem que pode ser facilmente empurrado 1 ou 2 stops. 
 
Para testar o CineStill, nada melhor que fotografar uns concertos:
 
CineStill test 1
 
CineStill test 2 - Linda Martini
 
CineStill test - Cais do Sodré Funk Connection
 
CineStill test - Cais do Sodré Funk Connection
 
CineStill test - Cais do Sodré Funk Connection
 
CineStill test - Oita, Aveiro
 
 
Considerações finais
 
Considerando as expectativas, o resultado final não desiludiu. Fotografar espectáculos é um desafio, principalmente em virtude da falta de controle da luz, mas, mesmo nas situações mais difíceis, as fotos têm bom contraste e gama dinâmica. As fotos realizadas no exterior e de dia, tal como esperado, tinham as cores bastante frias. Foi necessário um pequeno ajuste no equilíbrio dos brancos. É uma película interessante, com uma latitude altíssima, mas não é adequada a todas as situações. Ficámos com curiosidade para disparar este filme a 1600 ASA. 
 
 
Não é uma película barata, sem dúvida. Mas na fotografia analógica, hoje em dia, o que é realmente barato? 
 
 
Fotos tiradas com uma Hexar AF @ 800 ASA, digitalizadas num Epson V500, sem grandes edições, disponíveis no nosso flickr com resolução de 4800dpi's. 
 
 
 
 
Mais info aqui, podem comprar aqui
 
 

Teste ao Adox CMS 20

adox cms 20 and adotech

As películas são como vinhos tintos: têm cores diferentes, provêm de emulsões diferentes, uns custam 2€ outros 5€ ou mais. Há quem não se importe de beber vinho estragado e também há quem fotografe com películas fora do prazo. Se o Adox CMS 20 fosse um vinho, seria um vintage!

 

O Adox CMS 20 tem uma sensibilidade orthopancromática, segundo o fabricante nenhum outro filme tem mais nitidez, grão mais fino ou maior resolução (até 800 Ll /mm*). É possível fazer ampliações até 2,5 metros de diagonal sem perder qualidade, o que equivale matematicamente a uma câmara digital de 500 megapixeis. Este feito é conseguido com a emulsão especial de alta resolução monodispersa. Quando revelado com Adotech oferece uma excelente gama de meios tons.

 

Passemos agora à parte técnica: o filme foi exposto a 20 ASA e o processamento foi realizado num tanque JOBO 1510 manualmente.

 OBS.Temp.Tempo
1- AdotechAgitação contínua nos primeiros 30'', depois uma inversão suave a cada minuto24˚C10m
2- Banho de paragem ácidoAgitação contínua20˚C30s
3- FixadorAgitação contínua20˚C1m
4- Lavagem 20˚C5m
5- Agente molhanteFora do tanque/espiral20˚C1m

 

Algumas imagens digitalizadas a 48.000 dpis no Epson V500 (sem edição):

Adox cms 20

 

adox cms 20

detalhe a 100% da primeira imagem.

Considerações finais

Não é um filme fácil de trabalhar, é bastante fino com facilidade para riscar e apanhar poeiras, mas se exposto e revelado correctamente o resultado final é espectacular. A resolução que atinge tem como limite a resolução da lente usada; tem um grão extremamente fino e uma fantástica exposição de latitude.

 

Cientistas dedicaram anos de pesquisa com o revelador Adotech, por isso não revele com outro quimico. Isso é como beber um bom vinho num copo de plástico.

 

Mais info aqui, podem comprar aqui.

Podem ver as fotos com toda a resolução na nossa página do Flickr.

 

 

 

* Line pairs/mm - Um par de linhas é constituído de uma linha apagada e uma linha acesa adjacentes, enquanto linhas contam ambas as linhas apagadas e acesas. Uma resolução de dez linhas por mm significa cinco linhas apagadas alternando com cinco linhas acesas, ou cinco pares de linhas por mm. A resolução de lentes fotográficas e filmes são mais freqüentemente citadas como pares de linhas por mm. in wiki

CMS (Cubic Monodispersed Single-layer) 20 is the world's sharpest and most fine grained film in existence. This is possible because the emulsion of the single layer is only one grain thick. It is recommended for processing in Adotech CMS developer.

in adox flickr group

tags: