processos fotográficos alternativos

Revelar com Cafenol

Começar a revelar a preto e branco em casa de modo pouco regular... Qual o revelador mais adequado? Essa foi a questão que surgiu no inicio, tendo como resposta o Agfa Rodial, esse nobre e fiável amigo de 1891. Conhecido por durar e durar sem se deteriorar por tempo quase indeterminado e relativamente fiável. No entanto, aparece muitas vezes como sendo um óptimo revelador a baixas velocidades, criando bastante grão nas mais altas. E se quiser usar filmes mais sensiveis, o que fazer? Há uma grande gama no mercado, sendo a sua maioria com validade curta ou em pó, tendo-se que fazer 5 litros de cada vez ou métodos menos recomendáveis...


E que tal usar café? Já tinha visto este processo descrito, tendo, segundo alguns, um comportamento semelhante ao Xtol, revelador conhecido. Este "novo" químico, de seu nome cafenol apresenta logo à partida uma série de vantagem: se não usar-se parte dos componentes bebem-se, relativamente barato, à mão e sobretudo ecológico!


Assim, passe-se aos 4 componentes do cafenol:
1. Café instantâneo - O mais fácil. Encontra-se em qualquer grande superfície. No entanto há estudos e testes que comprovam que a qualidade do mesmo poderá ter uma influência (quase imperceptivel) no resultado final. Mas comecemos com um de supermercado.

2. Carbonato de sódio (sem bi no principio) - Já tinha usado na cianotípia, tinha em casa. Chama-se a atenção que é diferente do bicarbonato de sódio, usado na cozinha. Na minha experiência descobri estar presente em duas situações no dia a dia: pó para subir PH nas piscina e soda (leve ou densa). No formato de soda é (era) normalmente usada para lavar apetrechos como barris de vinho e superfícies ligadas à indústria vinícola. Passivel de ser encontrado em lojas ligadas à especialidade e drogarias. Arranjei soda leve em pó numa loja de restauro para móveis a 3,60 euros 1kg. Importante: tem de ser em pó (devido à existência de outras sub tipologias que se apresentam em cristais. Este formato é menos adequadas)

3. Ácido ascórbico, também conhecido por Vitamina C - foi-me sugerido o Celeiro, no entanto, como se poderá imaginar, há mais que um ácido ascórbico e o de ingerir não estará propriamente puro. Assim, para não complicar, preferi comprar numa casa de material para laboratório, a Vlab devido à pressa (um pouco mais caro: 25,30 euros 100 gramas). Encontrei também no Ebay a valores muito mais baixos.

4.Brometo de Potássio - da família do sal, também comprado na mesma casa a 14 euros por 100gr. Como a quantidade é residual, nem vale a pena procurar em mais locais.

 

Receitas

Existem várias receitas disponíveis na internet, tendo acabado num Blog onde as experiências são mais conhecidas e de resultados mais consistentes. O do senhor Reinhold Ele propõe 3 receitas base ajustadas para o tipo de utilização a ser dado. Verifiquei que há toda uma comunidade que se baseia nas mesmas. Se funciona com os outros, funcionará comigo. No blog encontra-se muito exemplos do seu uso. Consegui perceber que a receita mais ajustada para o meu caso, velocidades mais altas, seria a Caffenol CH. No entanto não encontrei nenhum exemplo com o Ilford HP5+ a 400. Assim continuei até encontrar a Bíblia  das receitas de Cafenol. Aqui verifiquei uma variação à receita CH, oferecida pelo senhor Eirik Russell Roberts, a de Caffenol CH(rs). Através da diminuição da quantidade de carbonato de potássio, o PH é mais baixo diminuindo o contraste, melhorando a imagem. Após ver esta imagem, passou a fazer ainda mais sentido.


Preparação

Ao invés de fazer uma "litrada" de revelador, converti os valores para 300ml.
Começa-se por misturar o café numa garrafa com 150ml de água e a parte de carbonato noutra separada com a mesma quantidade. Isto tem por objectivo garantir que tudo estava muito bem diluído antes de juntar ambos os componentes e evitar a reacção logo à partida quando se junta o ácio ascórbico com o carbonato de sódio. Depois, junta-se ambas as soluções e o brometo de potássio. Faço a ressalva que, como a receita convertida só pedia 0.3 gr de brometo de potássio, optei como diluir uma grama em 10ml de água, juntando posteriormente 3ml à solução.

 

Se pensaram, como eu, que temos agora um revelador com cheirinho a café, desenganem-se que aquilo cheira quase a esgoto!

 

Revelação:

 

13 minutos para começar, normalmente. Sem qualquer tipo de alteração do processo.
Há apenas a nota que fiz um passo intermédio de tirar o máximo de cafenol possível com água antes do banho de stop (tornando-o praticamente inútil) para o poder reutilizar este segundo banho em revelações mais "convencionais".

 

Algumas fotos da Canonet carregada com Ilford HP5+ revelado por 13 minutos com cafenol:

revelação com caffenol

revelação com caffenol

revelação com caffenol

revelação com caffenol

revelação com caffenol

revelação com caffenol

 

 

Considerações finais

 

 

Respectivamente ao Rodinal, há, sem dúvida uma melhoria relativamente ao grão; o cafenol é um revelador com resultados interessantes em situações com pouca luz e bastante versátil: várias pessoas estão a usá-lo para revelar C41.

 

 
Posso partilhar que no Blog do senhor Reinhold  (e não só) vi imagens reveladas a 3200 e li comentários de pessoas que depois de usarem Xtol e afins, ao passarem para o cafenol, nunca mais quiseram outra coisa. Além disso isto é uma fórmula que (aparentemente) resulta muito bem em filmes "mais nobres" como os Tri-X e afins.
 
A nível do aspecto, o negativo não apresenta grande diferença relativamente aos outros processos (Rodinal e C41) tendo a densidade relativamente normal, tendo em conta que o usei tanto de noite como num dia de sol na rua (à sombra, está claro). 

 

Para finalizar, há que lembrar que, visto sermos nós a misturar os componentes, torna-se, ao contrário dos reveladores de compra, poder criar uma receita que melhor se adeqúe às nossa necessidades, nomeadamente em assuntos como o contraste. Mais isso serão outras guerras mais à frente!

 


Um agradecimento especial ao Gonçalo Matias, todas as fotos da sua autoria e publicadas com permissão.

 

Referências:

www.caffenol-cookbook.com
caffenol.blogspot.pt

 

A Platinotipia

 

História

 
A impressão em Platina/Paládio tem uma longa tradição, remontando ao início da história da fotografia, apesar da primeira patente do processo só ter sido registada em Inglaterra em 1873 por William Willis. 
Uma ampla divulgação sucedeu até à 1ª guerra mundial, embora a partir desse período, devido as questões de custo e dificuldade na obtenção de platina e paládio, desviados entretanto para aplicações bélicas, o processo tenha caído no esquecimento até aos princípios dos anos 70. Um artigo da época, do “master printer” George Tice, publicado num volume da Time-Life Books (1972), fez resurgir o interesse por este tipo de impressão como especialidade fotográfica na área das “fine arts”.
 
Fotógrafos como Frederick Evans, Edward Steichen, Paul Strand, Alfred Stieglitz ou Edward Weston, entre outros, foram alguns dos mais importantes utilizadores desta técnica desde o séc XIX. Foi no entanto o grande fotógrafo norte-americano Irving Penn, um dos artistas contemporâneos que mais se destacou, imprimindo com grande mestria em Platina/Paládio, uma parte razoável das suas melhores imagens. 
A utilização por fotógrafos portugueses desta técnica de impressão foi muito esparsa no séc XIX, sendo igualmente rara no séc XX, até aos nossos dias.
 

O processo

 
Os procedimentos de impressão iniciam-se com a escolha criteriosa de um papel de alta qualidade, 100% algodão. Segue-se o seu emulsionamento com uma solução especial de sais de platina e paládio, revelando-se esta operação crítica, porque a referida solução deverá penetrar o papel de forma absolutamente controlada. 
A segunda etapa consiste em expor o papel a luz ultra-violeta em contacto com o negativo do mesmo tamanho da prova, sendo posteriormente processada e lavada. O que resulta de todo este processo, é uma imagem com uma inconfundível atmosfera, formada unicamente com micropartículas metálicas de platina e paládio puros, embebidas nas fibras do papel.
 
Esta técnica de impressão fotográfica, distingue-se de outras pela inexistência de qualquer substracto adicional, tornando-se a imagem parte do papel e na estabilidade química da platina e do paládio. As imagens tornam-se tão permanentes como o papel de alta qualidade que lhes serve de suporte. A sua duração em perfeitas condições, pode ser avaliada na ordem das centenas de anos, tornando as “platina/paládio” muito desejadas tanto por museus como coleccionadores de fotografia.
Poder-se-á destacar ainda a ausência total de brilho, gama tonal muito extensa e delicada, sensação de tridimensionalidade e outros atributos menos tangíveis, que conferem a estas impressões um carácter e luminosidade únicos. 
 
foto de Manuel Gomes Teixeira, todos os direitos reservados
 
 
Neste vídeo vemos o fotógrafo/impressor Manuel Gomes Teixeira que faz o percurso desde o momento em que tira a fotografia até à sua impressão.
 
Embora use métodos tradicionais (com película fotográfica em câmaras de médio e grande formato) tem aliado procedimentos centenários com a tecnologia disponível hoje em dia, aproveitando o melhor do analógico e do digital.
 
O resultado final é inigualável.
 
 

Platinum Palladium Printing with Leica M Monochrom from Luís Oliveira Santos on Vimeo.

 


Manuel Gomes Teixeira

Lisboa,1962.

Fotógrafo e impressor

Exerce actividade como fotógrafo profissional, fundando o seu próprio estúdio( Punctum Studios), em 1989.

Nos últimos anos (desde 1998), dedica-se a métodos e técnicas de impressão fotográfica do séc. XIX, tais como Print-Out-Paper, Colódio Húmido, Cianotipia, Albumina, com especial destaque para a impressão em metais Platinum & Palladium (vulgo,Platinotipia), à qual, no momento, se dedica quase exclusivamente.Embora utilize no seu trabalho filme fotográfico tradicional, investiga a aplicação de técnicas digitais aos processo antigos, nomeadamente, na produção de negativos digitais em suporte de gelatina/cerâmica, fazendo a ponte entre as técnicas tradicionais e as novas tecnologias digitais.

Actualmente, disponibiliza serviço especializado de impressão fotográfica Platinum/Palladium, para fotógrafos, artistas e instituições. Desde 2003, realiza frequentemente Workshops  e seminários sobre o tema.

 

via www.manuelgomesteixeira.com

 

O Daguerreótipo

daguerreótipo

 

Um vídeo bem interessante do fotógrafo de Seattle Dan Carrillho que fala um pouco da sua arte. 

 

 

O fotógrafo diz que hoje em dia, numa sociedade consumista em que tudo é tão imediato, ele tem a certeza que as imagens que faz ficarão depois de ele desaparecer. Num mundo digital em que é tão fácil tirar uma fotografia e é tão fácil esquecê-la, ele tenta fazer algo que perdure.

 

 

Passem pelo flickr e dêm uma olhadela, estas chapas têm alma!

 

Dan Carrillo: Daclotype from Patrick Richardson Wright on Vimeo.

Processos fotográficos alternativos

George Eastman House criou uma série de filmes em que explica a história e contexto dos principais processos quimicos na fotografia. Do daguerreótipo à impressão em gelatina de prata, que é um processo usado ainda hoje nas películas preto e branco.

 

Os vídeos estão bem realizados e são um recurso interessante se quiserem saber mais sobre as fundações da fotografia moderna.

 

O Daguerreótipo

O processo Colódio

A impressão Albumen

O Woodburytype

A impressão de platina

A Impressão em Gelatina de Prata